quinta-feira, 17 de março de 2011

A Frestinha de Luz


Leia a primeira parte aqui .
...

Percebe quando a dor volta, um grande cansaço e uma pontinha de dor de cabeça. 
Ah, seus filhos!
Tenta entender o motivo de procurar lembranças de três vezes que esteve ali. Gritava de dor nesses dias. E ainda assim eram lembranças tão boas!

Preocupou-se tanto com os filhos que esqueceu de cuidar da própria felicidade. Mas a felicidade sempre esteve por perto. Queria saber o porquê não consegue enxerga-la nesse instante. 
Deixou essa talzinha de felicidade escapar ou só fechou os olhos pra ela?
Não tem mais um bebê pra cuidar.
Ouviu dizer que toda mãe sempre cuida mais daqueles que causam mais problemas.
A primeira não foi um grande problema na infância, ela até que se cuidou e deixou espaço e tempo para os outros dois. Preocupação ela causa é agora, que anda triste com um coração machucado.

Talvez a solidão da infância a fez sonhar mais com o amor, menos com a profissão. E isso incomoda.
Coisa estranha essa! Aquela garotinha que só tirava ótimas notas e que nunca teve problemas na escola, ainda não tem o tal diploma que o filho do vizinho tem. E o filho do outro era tão lerdinho!
Talvez só tenha sonhado demais, ou se sentido oprimida com tantas expectativas, afinal, os pais sonham  demais para os filhos, e acabou se preocupando com um mundo onde teria mais amor do que dinheiro. E teve muito amor, foi amada e amou. Amou até quem não sabe amar! E isso é bem difícil.
O dinheiro? Uma hora acaba indo atrás dele. Mulher inteligente se vira, acaba se ajeitando.
Um dia pode ter dinheiro e até amor. Então não carece se preocupar com isso, coisa pouca!

A segunda exigiu bastante cuidado, muita atenção. Era frágil, pequenina. Decidiu que se ficasse "na dela", o mundo caminharia melhor. Hoje é uma mulher, é tranquila, mas sabe lutar pelo o que quer, sabe viajar, sabe ter amigos e gosta da festa da vida. Essa aí também se ajeita! Quanto menos se exigir, mais feliz ela pode ser.
Uma carinha de menina quietinha. Mas um espírito forte. É doce, mas sabe colocar pimenta onde quer.  Sabe até virar fera sem ningém perceber.
Então ali, naquele quarto escuro, pensa que não pode esquecer disso: menos pressão, mais felicidade!

O terceiro foi o anjinho da família, recebeu tanto amor, era atenção demais! Essa atenção era de todos os lados: tias, tios, primas... cresceu em meio de cuidados exagerados.
Ainda tá crescendo e nem se deu conta da importância do saber amar, do saber respeitar. Mas essa hora, quando menos se espera, ela acontece. A confusão existencial se faz necessárias em algumas fases. Então deixa ele curtir isso. É necessário não esquecer que cada um tem sonhos próprios. Mas também pode ser que nem saiba sonhar ainda. Quanto mais rápido entender que é preciso se virar, mais rápido conseguirá sorrir. Esse aí é forte e tem coragem, logo se ajeita!

Abre os olhos depois de tanto chorar e pensar.
E pensando bem mesmo, ficar nesse hospital, só é bom quando se é pra gritar daquela dor, aquela que só uma mãe pode sentir. Toda a dor fez sentido quando se viu os rostinhos das novas vidas que chegaram ali. 
Então decide que a sua vida será bem melhor. Pode e deve seguir, fazendo com que a felicidade não escape. Resolve abrir a janela e olhar para o passado com um pouquinho de nostalgia, mas deixar a luz entrar e ver que o futuro também reserva suas alegrias. E viver com felicidade sempre é melhor!

E até que se tem bastante, seu moço! Só é preciso um cadinho de coragem!

5 comentários:

  1. Texto interessante...
    Mais um pouquinho virava conto... Eu gostei!

    ResponderExcluir
  2. Aii que lição linda!!!

    Apaixonante, menina!!!

    Suspiros por tua delicadeza, sabia?!

    ^_^•

    ResponderExcluir
  3. Vinícius18.3.11

    É...faltou pouco pra virar conto mesmo!
    Muito bacana!!!
    Gostei de ler...

    ResponderExcluir
  4. Oi Nanda!
    Adorei a suavidade do post... Lindo!
    Parabéns!
    Bjs! Déia

    ResponderExcluir
  5. O amor de uma mãe é sem duvida o alicerce de um lar.
    Mãe se doa pelos seus filhos, pela sua familia.

    Belo texto Nanda. \0/

    Seu último comentário lá em meu blog, foi muito coerente e é dessa forma que algumas pessoas agem.E fica aquele pensamento querer desistir, de não querer fazer algo de bom, com receio de ser prejudicado.

    Boa noite Nanda.

    ResponderExcluir